Inscreva-se na nossa LISTA VIP

E Ganhe Nosso Guia

GRÁTIS !
🔒 Somos contra SPAM

Boa parte dos concurseiros, vestibulandos e estudantes de graduação buscam como estudar para provas e mal se dão conta do método que aplicam para atingir esse resultado, muito menos sobre como otimizar o aprendizado para facilitar esse processo.

Mas o que podemos fazer quando toda a pedagogia e didática dos professores vive dos mesmos métodos antigos de sempre? Você simplesmente não encontra uma alternativa para fazer seu cérebro aprender melhor aquelas matérias.

Muitos estudantes acabam então forçando suas habilidades inatas. Passam a conhecer seus dons autodidatas, em maior ou menor proporção. Mas outros, muitas vezes, não conseguem o mínimo de performance desejável e sentem-se verdadeiramente atrasados nos estudos.

A realidade é que a maioria cai no engano de achar tudo isso questão de inteligência ou de talento para os estudos. Mas não é verdadeiro esse pensamento pois nosso cérebro tem uma habilidade incalculável de se transformar.

A neurociência e suas descobertas confirmam isso a cada nova forma de fazer o cérebro aprender melhor, ao ensinar e interagir com os conhecimentos. O fazem se utilizando de inúmeros métodos cognitivos para melhorar a assimilação de novos conteúdos.

Sabemos que são muitos os detalhes que afetam diretamente a absorção de conhecimentos novos e como nos desempenharemos bem em determinada prova da faculdade por exemplo.

Afinal, o que podemos fazer para aprender como estudar para provas ao mesmo tempo que evoluímos nosso cérebro a aprender?

Nesse artigo, vamos conferir algumas dicas com base nos conhecimentos da neurociência para te auxiliar nesse processo de aprendizagem. Traremos alguns métodos para que você aprenda como estudar para provas fazendo seu cérebro aprender muito melhor.

Vamos a elas, boa leitura!

 

Vale a Pena Estudar para Provas Indo Além do Básico

como estudar para provasOs métodos de estudos clássicos, como aqueles puramente baseados na leitura ininterrupta e decorar por repetição, ainda são vistos como as únicas formas de assimilar uma nova informação.

Quem estuda para concursos ou exames sabe que não é apenas a quantidade de conteúdo lido ou de tempo dedicado que definirá a qualidade do aprendizado.

Pessoas com baixa concentração, por exemplo, podem demorar uma hora para conseguir ler uma página e compreendê-la. Necessitando voltar ao início do parágrafo constantemente, até entender.

Alguns estudos científicos da neurociência e da psicologia têm se debruçado para compreender como o cérebro aprende. Eles já estão começando a identificar os padrões do cérebro humano ao absorver conhecimentos.

Os resultados demonstraram que o cérebro pode precisar, além do conteúdo, de outros estímulos para aprender e memorizar. Isso variando de acordo com o estágio do desenvolvimento humano e também considerando os aspectos subjetivos da motivação ao aprender e também as sensações ao aprender que afetam cada um de nós.

Compreender esses aspectos subjetivos pode ser crucial para dar os estímulos certos ao cérebro. Testar um jeito novo para fazê-lo assimilar mais conteúdos e inovar a forma como estudar para provas é uma ótima busca por performance.

Isso pode resultar em avanços significativos. Pode ser o detalhe crucial para trazer a resposta para cada questão, na hora certa e exigida por um teste de concurso ou vestibular por exemplo.

 

É Preciso Tranquilizar a Mente

como fazer o cérebro aprender melhorMas antes de mais nada, é importante preparar a mente para o momento de estudar e aprender. Os problemas de concentração, principalmente numa sociedade hiper visual, são grandes inimigos da memória.

Muitas vezes se torna impossível aprender um novo conhecimento se o celular estiver ligado e as redes sociais anunciarem atualizações a todo o tempo.

Segundo estudiosos da Atenção Plena ou mindfulness, como Mark Williams e Danny Penman, dizem que a correria e a exigência cotidiana fazem o cérebro deixar de absorver conteúdos e novidades. É como se esse órgão crucial para todas as atividades humanas automatizasse as tarefas corriqueiras para dar conta da grande intensidade de informações e responsabilidades diárias.

O grande fluxo de pensamentos provoca uma mente exaurida, acarretando estresse e mau humor, tornando a memorização e a retenção de novos conhecimentos em tarefas mais árduas.

Por essa razão, aquietar a mente pode ser uma rápida e eficaz estratégia de preparar o cérebro para os estudos. Uma pequena higienização mental antes de ocupar a mente com novas informações pode ser um bom começo.

Técnicas de meditação diárias são boas aliadas do aprendizado, desarmando as reações automáticas e ampliando a capacidade cognitiva do cérebro.

Está comprovado, as pessoas que praticam a meditação antes de realizar qualquer atividade, a fazem com desempenho superior das que não meditam. E isso não se aplica somente a uma forma de como estudar para provas, influencia até na hora de nos comunicarmos com outras pessoas.

Além de buscarmos tornar nossa mente um ambiente organizado para o conhecer, é importante preparar o ambiente de estudos, livrando-se de possíveis distrações antes de uma atividade.

Mantenha o local das suas atividades sempre limpo, organizado e procure estudar para as provas em espaços bem iluminados.

 

Dê Importância a Linguagem de seu Cérebro

como estudar para vestibulares e fazer o cérebro aprender melhorAgora sim é possível iniciar uma dedicação aos estudos que respondam aos estímulos exigidos pelo cérebro.

Richard Bandler e John Grinder, criadores da Programação Neurolinguística(PNL), descobriram que cada ser humano interage com o mundo de forma particular. Na verdade cada pessoa tem seu próprio mapa pessoal do mundo.

Ainda que todos nós sejamos dotados de múltiplos sentidos – audição, visão e tato, cada pessoa apresenta uma afinidade maior com um deles, chegando o predominante a representar entre 60 e 70% de todos esses sentidos.

Por essa razão, utilizar a linguagem que fala mais diretamente com o seu melhor canal de comunicação produz resultados mais efetivos, e seu cérebro aprende mais.

São 3 as linguagens:

 

1. Canal Auditivo

Muito utilizado por aquelas pessoas que assimilam mais informações ao ouvi-las, talvez fazendo rimas e criando músicas com as informações que precisam estudar. Essa é uma forma especial delas marcarem melhor o conteúdo no cérebro.

Pode ser percebido esse padrão em pessoas que se distraem com sons constantemente ou que precisam que alguém explique o assunto em voz alta para compreendê-lo.

É possível notar que os auditivos podem se concentrar em alguma informação sem olhar diretamente para elas. Para estes, é importante valorizar a leitura em voz alta, explicar o assunto a outro colega, utilizar audiolivros e outros recursos auditivos que permitam a associação do conteúdo pelo som.

 

2. Canal visual

Esse padrão é adotado por pessoas que precisam visualizar as informações para poder entendê-las. Comumente são aqueles que gostam de recorrer à escrita em caderno, papéis adesivos, canetas coloridas, anotações entre outros.

Pessoas visuais lembram de situações muito mais através de imagens que aparecem em sua memória. Para estes, a dica é sempre recorrer a resumos e fichamentos, palavras-chave, estudo por mapas mentais, acrônimos, ilustrações, evitando o exagero na poluição visual.

As pessoas visuais também tem habilidade de relacionar cores, formas e até gestos dos professores. Por causa esse efeito didático, muitos utilizam canetas coloridas e adotam vídeos como principal fonte de conhecimento.

 

3. Canal cinestésico

Os cinestésicos são aqueles que precisam o ato de fazer para aprender melhor, colocando a mão na massa. Pessoas com esse padrão tendem a gostar de tocar e mexer nas coisas para senti-las com as próprias mãos.

Para compreender os conteúdos novos, precisam de exemplos que utilizem a emoção como uma voz, filmes e situações que saiam do nível da explicação teórico e passem ao nível prático.

É indicado que realizem experimentações (de biologia e física, por exemplo, caso seja vestibulando), frequentem locais que remetam ao tema (museus, escritórios, a natureza), etc.

Outra forma que sinestésicos conseguem assimilar o conteúdo é o reproduzindo pela escrita. Pessoas que leem e imaginam, após a compreensão, retransmitem seu entendimento, com suas próprias observações pessoais em uma folha de papel escrita a próprio punho.

 

como fazer o cérebro aprender melhorExistem muitos métodos ensinando como estudar para provas de vestibular e concursos, mas eles definitivamente são bem generalistas. A organização mental de cada pessoa é algo completamente pessoal e depende também de autoconhecimento.

O uso de alguns métodos de aprendizado, leva isso em consideração e se baseia em um estado cerebral comum a todos, que permite aqueles que estudam, assimilarem informações complexas em um curto espaço de tempo, retendo conhecimentos com incrível facilidade.

Se trata, literalmente, de “aprender a aprender” e suas fundamentações estão baseadas também na neurociência e dentro da própria linguística humana.

Tenha consciência também que se motivar é também um processo de aprendizado que deve existir desde o início e deve ser levado em consideração, sobretudo para não cair em procrastinação na hora de aprender.

 

Como Estudar para Provas utilizando Métodos de Aprendizado Acelerado

Muitos estudos já avançaram a altos níveis com forte embasamento científico, porque não aplicar alguns “truques mentais” para transformar o modo de estudar para provas e facilitar o caminho para o cérebro na hora de aprender?

Conforme demonstram especialistas como Alberto Dell’Isola, a memorização de novos assuntos também implica diminuir foco sobre outras informações que não sejam tão relevantes para o cérebro.

Mas para que conteúdos importantes não sejam esquecidos, o aprendizado acelerado recorre a diversas técnicas de memorização e leitura combinadas a outras habilidades que tornam o processo de estudar e aprender muito mais simples.

Para começar bem em seus estudos para provas, siga essas 10 dicas do vídeo abaixo:

Veremos agora alguns métodos para otimizar os estudos:

 

Método Pomodoro

como fazer o cérebro aprender melhorEsse método pode ser facilmente utilizado para todas as atividades do dia que requerem atenção completa. Inclusive para realizar estudos intercalados e alternando conteúdos de muitas disciplinas, como é o caso do concurseiro e vestibulando.

A técnica, criada por Francesco Cirillo, consiste em realizar uma tarefa sem interrupções, por um período de tempo específico chamado Pomodoro.

Cada “pomodoro” equivale a 25 minutos de concentração e 5 minutos de descanso, sendo que, a cada 4 pomodoros (2h), é possível relaxar por um período de 25 minutos.

O tempo de pausa é crucial para a assimilação das informações sem as sobrepor a outras. Dessa forma, aumenta a fixação na memória e ainda garante que o cérebro utilize seu maior potencial no momento necessário.

Existem diversas versões modificadas do pomodoro hoje, mas compreender como estudar para provas utilizando esse método pode otimizar seu tempo, fazendo o cérebro aprender mais conteúdos de forma melhor para a memória.

 

Método de Revisões

rapaz pensativo estudando sobre uma mesaO estudioso da memória Alberto Dell’Isola indica que, passadas 24 horas após a primeira sessão de estudos, é aconselhado dedicar 10 minutos para fazer uma revisão de estudos para cada conteúdo aprendido por 1 hora.

O ritmo deve ser contínuo por 7 dias e, ao finalizar uma semana completa, o autor do livro “Supermemória – Você também pode ter uma” indica que se dedique apenas 5 minutos para reativar as mesmas informações na memória.

Após 30 dias, o conteúdo deve ser revistado por 2 a 4 minutos, mostrando-se suficiente para lembrar do conteúdo apreendido pelo cérebro. Esse é o momento que o método se comprova e torna o conteúdo duradouro em mente.

Por isso é importante vivermos em contato constante com as coisas que aprendemos e precisamos lembrar. Isso pode modificar a forma como estudamos para provas e fazer o conteúdo se fixar em nosso cérebro sem se perder facilmente.

 

Atitude Mental

como fazer o cérebro aprender melhorOutra forma de absorver bem os conteúdos estudados é iniciando o processo de aprendizagem com uma atitude mental positiva. Isso não significa pedir socorro a autoajuda para estar alinhado aos estudos, trata-se de outra coisa.

A Programação Neurolinguística indica que a postura mental pode ser programada, e quando isso acontece, começa uma influência no organismo a liberar endorfina (hormônio que alivia as tensões e promove sensação de bem-estar), fazendo o cérebro enxergar atividades árduas como prazerosas.

O campo da PNL é riquíssimo, através dele, pessoas livram-se de suas fobias, traumas graves e podem sentirem-se belas e poderosas apenas com uma pequena reprogramação mental.

O mesmo pode ser feito em um estudante para tornar seu cérebro uma verdadeira esponja de conhecimento.

Quando modificamos nosso padrão mental, podemos surfar em uma onda de ânimos que nos carregam a frente por muito tempo, esse “estado de espírito” favorece nosso cérebro em vários aspectos positivos.

Uma maneira de conquistar esse estado emocional de confiança, preparo e apetite pelos estudos não é complicado. Uma mudança de vida pelo foco e determinação já podem ser um empurrão entanto para atingir seus objetivos pessoais.

Alongar-se, fazer exercícios de respiração para oxigenar o cérebro, sorrir mesmo que forçado para incutindo boas sensações ao estudar e outros truques de persuasão para engajar-se são hábitos que devem ser experimentados na prática. Portanto, crie um rito só seu, algo recompensador a cada conquista e que gere sensação de prazer em tudo o que estudar.

Perceba como seu cérebro é fabuloso e apenas por manter o sorriso no rosto já pode refletir em ânimos na sua mente, mesmo sem ela ainda existir de fato. Saiba controlar a mente e ela lhe conduzirá muito mais longe.

Ame o conhecimento e estude por amor, esse é seu objetivo maior, a conquista de ser aprovado na prova será apenas mais um passo dentre inúmeros outros!

 

Leitura Dinâmica

Dr. Stranger fazendo leituraA leitura dinâmica é uma técnica que vai além da leitura comum e corriqueira de rotina. Se trata da forma como se lê e se baseia nos princípios do foco, compreensão e velocidade da leitura.

Nosso cérebro é mais ágil e poderoso do que imaginamos e, definitivamente, não precisamos ler sílaba por sílaba para entendermos uma palavra.

Nosso campo visual também é mais amplo do que pensamos, e podemos entender blocos inteiros de palavras só por visualizar eles, sem nenhum truque.

Seu objetivo não é realizar uma leitura “apressada”, mas treinar os olhos e o cérebro tecnicamente para assimilarem mais palavras em menos tempo, com compreensão total de seus significados e as guardando dentro da mente.

Com exercícios de movimentação do globo ocular, podemos aprimorar nossa visão periférica e aperfeiçoam a velocidade de leitura ao passarmos os olhos sobre um texto.

Tudo é mais simples do que se imagina e os resultados são surpreendentes. A técnica de leitura dinâmica possibilita até mesmo os alunos no seu primeiro dia de treinamento lerem um livro de 100 folhas em menos de 1 hora.

Incrível você diz? Certamente se pensa assim, ainda não conhece o potencial que seu cérebro tem!

Esse método vai além de aprender como estudar para prova de forma mais ágil, certamente pode acompanhar a carreira inteira de uma pessoa e conferir a habilidade necessária para ela ter conhecimentos enormes em pouco tempo.

Todos esses métodos que foram apresentados aqui tem suas qualidades comprovados cientificamente. Todos dão vantagens extraordinárias para você estudar para provas de concursos e vestibulares de forma mais comprometida, mas só quem se preocupa com a própria performance passa a conhecê-los.

Você certamente é uma dessas pessoas por buscar esses conhecimentos ensinando como estudar para provas de vestibulares e concursos de forma otimizada, mas não sabe sobre alguns trunfos da própria mente. Por isso aconselho baixar nosso E-book gratuito e fazer parte da nossa LISTA VIP.

como fazer o cérebro aprender melhorTudo o que compartilhamos por lá pode lhe torna um concorrente mais perspicaz e também lhe colocar um passo a frente de muitos concorrentes.

O desenvolvimento pessoal é o melhor investimento de todos pois o maior ativo da sua vida é você próprio!

Caso se identifique com essa ideia, peço que compartilhe esse artigo com outros que podem precisar dessas informações que você conheceu hoje!

Bons estudos e boa sorte!

Conheça os Reais Caminhos do Autodesenvolvimento

Ganhe um E-book Grátis e receba nossa serie de desenvolvimento pessoal para você superar os seus limites
Inscreva-se na nossa LISTA VIP