Carol Dweck antes de sua obra sobre o Mindset, estudou por mais de 1 década a motivação humana. Nesse período ela esteve debruçada no questionamento sobre por quê algumas pessoas têm sucesso e outras não, mas além disso, estudou o que pode ser controlado para determinar o sucesso.

A sua teoria sobre as duas mentalidades e a diferença que elas trazem em nossos resultados, é incrivelmente poderosa!

Como ela descreve:

“Meu trabalho intercepta a psicologia do desenvolvimento, a psicologia social e a psicologia da personalidade, e examina as concepções (ou mentalidades) que as pessoas tem ao estruturar o “Eu” e guiar seus “Comportamentos”.

Minha pesquisa analisa as origens dessas mentalidades, seu papel sobre a motivação, na autorregulação e seu impacto nas conquistas e processos interpessoais ”.

A investigação de Carol Dweck sobre as crenças é sintetizada na sua obra Mindset: A Nova Psicologia do Sucesso. O livro nos leva em uma jornada sobre nossos pensamentos conscientes e inconscientes, como eles nos afetam e como algo tão simples como palavras podem ser tão poderosas em nossa capacidade de melhorar.

O trabalho de Dweck mostra o poder de nossas crenças mais básicas. E que, sejam elas conscientes ou subconscientes, nos “afetam fortemente no que queremos e se conseguiremos algo”.

Muito do que pensamos entender da nossa personalidade vem da nossa “mentalidade”. Isso tanto nos impulsiona quanto nos impede de cumprir objetivos.

Em Mindset: A Nova Psicologia do Sucesso, Dweck descreve quais são as consequências de pensar que sua inteligência ou personalidade são algo que você pode desenvolver, em oposição a algo que é um traço fixo e profundo.

 

Os Nossos 2 Mindsets

 

As declarações e estudos registrados por Carol Dweck circularam bastante no meio acadêmico, já se convergiram com conhecimentos da neurociência da aprendizagem e sobretudo nos mais famosos tópicos sobre desenvolvimento pessoal.

Em sua teoria, a visão de si mesmo pode determinar tudo. Caso você acredite que suas qualidades são imutáveis – o chamado mindset fixo – então você vai querer se provar correto mais e mais, ao invés de aprender com seus erros.

Em Mindset, Dweck diz:

“Se você tem apenas certa quantidade de inteligência, certa personalidade e um certo caráter moral – bem, então é melhor provar que tem uma boa dose deles. Isso simplesmente pode fazer você parecer ou sentir que não tem deficiências.

[…]

Eu tenho visto muitas pessoas com o objetivo de se provar – na sala de aula, em suas carreiras e em seus relacionamentos.

Cada situação exige essa autoafirmação da inteligência, personalidade ou caráter.”

Então cada situação será sempre avaliada:

  • Terei sucesso ou fracassarei?
  • Vou parecer inteligente ou um idiota?
  •  Eu serei aceito ou rejeitado?
  • Vou me sentir como um vencedor ou um perdedor?

Essas certezas são culturalmente desejáveis sempre. Nós valorizamos a inteligência, personalidade e caráter. É normal querermos isso. Mas …

No livro Mindset, Dweck escreve:

“Há uma outra mentalidade na qual esses traços não são simplesmente um blefe em que você tenha que conviver tentando convencer a si mesmo e aos outros de que você tem um royal flush nas mãos, quando está secretamente preocupado segurando com um par de dez.”

Nessa mentalidade, o jogo que você tem na mão é apenas o ponto de partida para o desenvolvimento. Esse mindset de crescimento é baseada na crença de que suas qualidades básicas são coisas que você pode cultivar através de esforços.

Mudar nossas crenças pode ter um impacto poderoso. A mentalidade de crescimento cria uma paixão enorme pelo aprendizado.

“Por que perder tempo provando repetidamente como você é grande”, escreve Dweck, “quando você poderia estar realmente melhorando?”

  •  Por que esconder deficiências em vez de superá-las?
  •  Por que procurar amigos ou parceiros que apenas aumentem sua auto-estima em vez daqueles que também o desafiarão a crescer?
  •  E por que procurar o que já foi provado como verdadeiro, em vez de experiências que lhe faça expandir?

A paixão por se expandir e se agarrar nisso, mesmo (ou especialmente) quando você não está se saindo bem, é a marca do mindset de crescimento. Esta é a mentalidade que permite as pessoas prosperarem durante alguns dos momentos mais difíceis de suas vidas.

 

Nossas Idéias Sobre Risco E Esforço Vêm Do Nosso Mindset

Algumas pessoas percebem o valor de se desafiarem, quererem se esforçar para aprender e crescer. Outros, no entanto, preferem evitar o esforço como se isso não importasse.

Em Mindset, Dweck comenta:

Muitas vezes vemos livros usando títulos como “Os Dez Segredos Das Pessoas Mais Bem-Sucedidas Do Mundo” lotando as prateleiras das livrarias, dando muitas dicas úteis. Mas eles geralmente são uma lista de indicadores desconectados, dizendo “Assuma mais riscos!” ou “Acredite em você mesmo!”

[…]

Enquanto você ficar admirando as pessoas que seguem essas dicas, nunca ficará claro como elas se encaixaria na sua vida ou como você poderia tornar-se como essas pessoas. Então você fica inspirado por alguns dias apenas, enquanto as pessoas mais bem sucedidas do mundo continuam com seus segredos.

Em vez disso, ao entender as mentalidades fixas e de crescimento, você verá exatamente como uma coisa levará a outra.

Entenderá como a crença de que qualidades são esculpidas em pedras, leva a certos pensamentos e ações, enquanto a crença de que as qualidades podem ser cultivadas, leva a uma série de pensamentos e ações diferentes, resultando em um caminho completamente diferente também.

Claro, as pessoas com a mentalidade fixa também leram os livros que dizem:

  • O sucesso é sobre ser o seu melhor eu, não sobre ser melhor que os outros.
  •  O fracasso é uma oportunidade, não uma condenação.
  • Esforço é a chave para o sucesso.

Mas eles não podem colocar isso em prática pois sua mentalidade básica – seu mindset baseado emcrença fixas – está lhes dizendo algo totalmente diferente: que o sucesso é ser mais talentoso que outros, que o fracasso mede você e que o esforço é para aqueles que não pode fazer sem talento.

 

A Mentalidade Afeta A Criatividade Também

No livro Mindset, Dweck escreve:

“Outra coisa que as pessoas excepcionais parecem ter é um talento especial para converter os retrocessos da vida em sucessos futuros.”

Os pesquisadores da criatividade concordam.

Em uma pesquisa com 143 pesquisadores da criatividade, houve um grande consenso sobre o ingrediente número um para se ter realizações criativas. E essa é o tipo da perseverança e resiliência produzida pela mentalidade de crescimento.

Na verdade, Dweck assume essa abordagem estóica, escrevendo:

“Na mentalidade de crescimento, o fracasso pode ser uma experiência dolorosa. Mas isso não define você, é apenas um problema a ser enfrentado, tratado e aprendido ”.

Ainda podemos aprender com nossos erros.

O treinador de basquete John Wooden disse uma vez que, “Você não é um fracasso até começar a atribuir culpas. Quando você para de aprender com seus erros – você passa a os negar.”

Em uma palestra, Carol Dweck descreveu que

“Há duas maneiras de pensar em um problema um pouco difícil demais para resolver”. As pessoas geralmente abordam eles com essas duas mentalidades … “Você não é inteligente o suficiente para resolver isso….ou você só não resolveu isso ainda”.

E operar fora da sua zona de conforto é a chave para melhorar seu desempenho, e também o elemento crítico para deliberar a prática.

 

O Poder Do Ainda

quadro com as diferenças de mindset fixo e de crescimentoEm uma conferencia que tratava sobre a pressão de fazer nossos filhos crescerem, Carol Dweck falou sobre o agora e o poder do ainda não, dizendo:

Ouvi falar de uma escola do ensino médio em Chicago, aonde os alunos tinham que passar por um certo número de cursos para se formarem, e caso eles não passassem no curso, obtinham a nota “Not Yet” (“Ainda Não)”.

[…]

Eu achei fantástico, pois se você receber uma pontuação em forma de falha, você pensa “Eu não sou nada e não estou em lugar algum”. Mas caso você obtenha a nota “Ainda não”, entenderá que está em uma curva de aprendizado, o que lhe dá um posicionamento, um caminho para o futuro.

O “Ainda não” também me deu uma visão sobre um evento crítico no início da minha carreira e que foi um verdadeiro ponto de virada sobre seus efeitos.

No episódio eu queria ver como as crianças lidavam com seus desafios e dificuldades. Então eu dei problemas para crianças de 10 anos, mas que eram um pouco difíceis demais para elas solucionarem.

Alguns deles reagiram de forma chocantemente positiva e disseram coisas como: “Eu amo um desafio” ou “Você sabe, eu esperava que o problema fosse informativo”.

Eles entenderam que suas habilidades poderiam ser desenvolvidas e tinham o que eu chamo de mindset de crescimento. Mas por outro lado, outros estudantes acharam que aquilo era trágico e catastrófico.

De uma perspectiva de mindset mais fixa, suas inteligências estavam prontas para o julgamento de que eles falhariam. Em vez de se repousarem sobre o poder do ainda não, eles estavam presos na tirania do agora.

Então, o que eles fizeram a seguir? Eu vou te dizer o que aconteceu.

Em um estudo, as crianças nos disseram que provavelmente iriam enganar o teste da próxima vez, em vez de estudar mais caso falhassem no teste. Em outro estudo, após o fracasso, eles procuraram por alguém que se saiu pior do que eles, para que pudessem se sentir realmente bem consigo mesmos. E estudo após estudo, eles realmente fugiram das dificuldades.

Os cientistas mediram a atividade elétrica do cérebro enquanto os alunos confrontaram os erros.

Observando o lado esquerdo do cérebro, você podia distinguir os alunos de mindset fixo pois não havia praticamente nenhuma atividade elétrica. Eles corriam do erro, simplesmente não se envolviam com o teste.

Mas no lado direito do cérebro você via atividades elétricas nos alunos com o mindset de crescimento, eram os que tinham a ideia de que suas habilidades podem ser desenvolvidas.

Essas crianças se envolviam profundamente com seus cérebros em chamas ainda. Eles se envolviam profundamente, processavam o erro e aprendiam com isso até corrigirem-se.

 

É Fácil Cair Na Armadilha Imediatista Do Agora.

Foto de testes de mindset feitos em criançasNossos filhos ficam obcecados com a obtenção de notas altas – eles sonham com o próximo teste para provarem a si mesmos, em vez de sonharem maior do que isso. Um subproduto disso é que estamos tornando eles dependentes da validação dada por nós mesmos – é a gamificação das crianças.

O que podemos fazer sobre isso? Não louvar a inteligência ou talento e sim a ética sobre o próprio trabalho.

…e podemos elogiar a sabedoria não elogiando a inteligência ou talento. Isso falhou!

Não faça mais isso. Elogie o processo pessoal em que as crianças se envolvem:

  • Seu esforço.
  • Suas estratégias.
  • Seu foco.
  • Sua perseverança.
  • Sua melhora.

Este processo de louvor sim recompensa crianças persistentes e resilientes.

A maneira como pronunciamos as coisas afeta na confiança, é o que ocorre nas palavras “ainda” ou “ainda não”, elas “dão às crianças uma maior confiança, dão a elas um caminho para o futuro que cria maior persistência”.

 

Podemos Mudar A Mentalidade

Em um estudo, ensinamos as crianças que toda vez que elas saem de sua zona de conforto para aprender algo novo e difícil, os neurônios em seu cérebro podem formar conexões novas e mais fortes, e com o tempo eles podem ficar mais inteligentes.

… Os alunos que não aprenderam esse mindset de crescimento continuaram a apresentar declínio de notas durante essa difícil transição escolar, mas aqueles que foram ensinados nessa lição, mostraram uma forte recuperação em suas notas.

Demonstramos esse tipo de melhoria com milhares e milhares de crianças, especialmente estudantes com dificuldades. O livro Mindset: A Nova Psicologia do Sucesso é uma leitura obrigatória para quem quer explorar a mentalidade e aprender como podemos influenciá-la para ser um pouco melhor.

O trabalho de Carol Dweck é simplesmente excelente!

Conheça os Reais Caminhos do Autodesenvolvimento

Ganhe um E-book Grátis e receba nossa serie de desenvolvimento pessoal para você superar os seus limites
Inscreva-se na nossa LISTA VIP